Negócios Digitais    |    LGPD     |    Negócios Convencionais

AFO Advogados

O mercado de automóveis no Brasil vai de mal a pior. O setor, que havia tomado fôlego com a redução das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de maio de 2012 até dezembro do ano passado, agora convive com números negativos nas vendas. Segundo o último relatório da Federação Nacional da Distribuição de veículos automotores (Fenabrave), que representa as concessionárias, as vendas em maio deste ano foram 10,7% menores do que em igual mês do ano passado. De janeiro até o mês passado, também houve queda, de 8,26% em relação ao mesmo período de 2013.
Fontes do setor, economistas e tributaristas ouvidos pelo EXTRA apontam a mesma principal causa para o desempenho do mercado não deslanchar no país: a alta carga tributária. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), ao comprar um carro novo 1.0, hoje, o consumidor paga, 35,27% só em impostos.
E o cenário ainda pode piorar. Até a próxima terça-feira, o ministro da Fazenda Guido Mantega vai decidir se o governo seguirá com o plano de subir as alíquotas do IPI novamente.
Fontes do setor e economistas ouvidos pelo EXTRA apontam a mesma causa como a principal para o desempenho do mercado não deslanchar: a alta carga tributária. Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), ao comprar um carro novo 1.0, hoje, o consumidor paga 35,27% em impostos.
— Nosso cálculo considera também os impostos que incidem sobre a folha de salário e sobre o lucro das empresas — explica João Eloi Olenike, presidente do IBPT.
Segundo Luiz Moan Yabiku Jr., presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), o Brasil tem hoje a maior carga tributária sobre veículos do mundo.
— A cada cem reais que pagamos na compra de veículos, em média, R$ 30 são impostos. Nos Estados Unidos, a cada cem dólares, US$ 6,50 são de tributos. A solução para isso é que, paulatinamente, o país reduza essa carga tributária, até porque nós já demonstramos que quando ela cai, nós aumentamos a venda de veículos e, com isso, também a arrecadação de outros impostos. De maio de 2012, quando houve a redução do IPI, até dezembro de 2013, quando ele começou a subir, nós vendemos 1,48 milhão de unidades a mais em relação a igual período anterior. Arrecadamos R$ 4,9 bilhões a menos de IPI, mas pagamos R$ 5,6 bilhões a mais de PIS e Cofins e R$ 6 bilhões de ICMS. Ou seja, nesse período, o setor gerou R$ 8,2 bilhões a mais nos demais impostos.
Como se não bastassem os tributos, o consumidor que precisa comprar o carro financiado arca com altos juros. Uma pesquisa feita pelo EXTRA em concessionárias do Rio mostra que os juros chegam a custar 31,5% do carro, mesmo com entrada. É o caso do Gol 1.0, cujo valor sai de R$ 32.710, à vista, para R$ 47.793,20, em caso de financiamento, mesmo que o consumidor pague 40% de entrada (confira abaixo).
Segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), em maio, a taxa média nos financiamentos de automóveis por Crédito Direto ao Consumidor (CDC) foi de 1,8% ao mês, a maior desde maio de 2012.
Para fugir das altas taxas de juros do setor, o enfermeiro Arlindo Jansen, de 61 anos, comprou o seu Celta 1.0, no início deste ano, com empréstimos consignados.
— Consegui juros de 0,95% ao mês. O carro custou R$ 31.200. Tinha um dinheiro guardado e peguei R$ 26 mil, em dois empréstimos. Quanto aos impostos, de um modo geral, a tributação em tudo é alta no Brasil. Em todos os setores. Não só no carro.
Procurada pelo EXTRA, a Volkswagen afirmou que cabe à Anfavea, que representa as montadoras, comentar sobre a carga tributária no setor. As perguntas sobre os juros e os preços de fábrica dos carros não foram respondidos pela empresa.
Já a Fiat afirmou, em nota, que “as diretrizes governamentais e tributárias que regem o mercado automotivo podem ocasionar alterações nos preços dos produtos praticados em diferentes países. A Fiat permanece envidando esforços para manter a prática usual de comercializar seus produtos a preços competitivos aos consumidores brasileiros”. Em relação aos juros, a empresa informou que “as taxas para a venda de carros são definidas pelos bancos e sofrem influência dos indicadores macroeconômicos. A Fiat não conta com banco próprio de varejo”.
Fonte: Impostômetro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

KALINA KATHYLIN DA SILVA SANTOS

Advogada especializada em relações empresariais no mercado digital;
Suporte ao atendimento Wendell Carvalho e Karina Peloi.

STÉFANY MAGALHÃES NASCIMENTO

Advogada pós-graduanda em Direito Digital e Complaice, especializada em relações empresariais no mercado digital. 

Dra. Luciana Almeida

Advogada pós-graduada em Gestão de Negócios, especialista em Lei Geral de Proteção de Dados, Legal Designer, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Viviane Lopes Coelho

Graduada, Controller Jurídico, especializada em relações empresariais no mercado digital.

DRA MARIA CLARA MACEDO DE OLIVEIRA VELOSO

Advogada pós graduanda em Direito Civil, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Dra. Maria Eduarda Azevedo Machado

Advogada pós-graduanda em direito empresarial, especializada em relações empresariais no mercado digital. 

Dr. Leandro Sena Braga Lima

Advogado especializado em relações empresariais. 

Dra. Laís Figueira Loureiro Moreira Gamaro

Advogada pós-graduada em Direito Tributário e em Direito e Negócios da Infraestrutura, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Dra. Amanda Luiza Tripicchio dos Santos

Advogada com MBA em Direito do Trabalho e Previdenciário, pós-graduada em Direito Previdenciário, pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Ligia Maura Dechechi de Oliveira

Graduada, responsável por novos negócios, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Dr. GUILHERME GUAZZELI ARNOSTTI

Advogado especializado em relações empresariais.

Dra. Juliane Mattos Grana de Campos

Advogada pós-graduada em Processo Civil, pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil, especializada em relações empresariais.

Dra. Carla Cecília Russomano Fagundes

Advogada Sênior pós-graduada em Direito e relações do trabalho, especializada em relações empresariais no mercado digital. 

DRA. FLÁVIA MARIA
DECHECHI DE OLIVEIRA

Advogada, pós-graduada em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, com MBA em Gestão Estratégica de Serviços pela mesma instituição. Sócia fundadora da AFO Advogados, desenvolvendo inúmeros projetos para formatação do departamento jurídico de empresas, do mercado tradicional e no mercado digital, o que significou a economia de milhões de reais para centenas de empresários e gestores. Criadora do curso Advogando no Digital, responsável pela formação de centenas de advogados que pretendem atender o nicho. É palestrante e desenvolvedora de conteúdo sobre temas relevantes do direito e empreendedorismo.