Negócios Digitais    |    LGPD     |    Negócios Convencionais

AFO Advogados

O desinteresse da opinião pública brasileira para decisões oficiais a respeito dos direitos de cidadãos e grupos é histórico. Com o argumento primário da repulsa e até do ódio pela atividade política, realmente de péssima figuração entre nós, deixamos escorrer livremente pelos anais da história decisões de suma importância para a coletividade.
 
O resultado dessa indiferença é registrado em todas as áreas. Uma delas é a escandalosa mudança de regras, responsabilidades, prazos e outros artifícios no mundo dos precatórios. Para simplificar e melhorar a compreensão dessa questão vale registrar que sob essa denominação encontram-se as dívidas do poder público-federal, estadual e municipal- com pessoas físicas ou jurídicas com direitos reconhecidos pela Justiça. Uma espécie de devo, mas pago só quando puder ou quiser.
 
Essa ciranda de empulhação vem desde o século passado, agravada pela impenhorabilidade dos bens públicos. Melhor, desde a Constituição de 1934 que instituiu oficialmente essa figura como uma espécie de título de dívida da Fazenda Pública. A partir daí e com escandalosa freqüência de descumprimento de suas obrigações, o Estado vem mudando as regras no meio do jogo, com toda sorte de protelações, adiamentos, parcelamentos, leilões e compensações tributárias, ao bel prazer dos poderosos do plantão.
 
Apenas para dar uma pálida idéia do prejuízo que essa parafernália legal e burocrática dá aos cidadãos, estimativas recentes do Conselho Nacional de Justiça situam a dívida dos precatórios, em fins de 2010, em R$ 84 bilhões, representados por quase 280 mil precatórios pendentes. Só no município de São Paulo o montante dessa dívida atinge R$ 10,73 bilhões, com títulos atrasados desde 2001.
 
Outra agravante para deixar o credor literalmente ás cegas nesse emaranhado de normas, resoluções, cadastros, comitês e conselhos criados por todos os cantos, diz respeito à falta total de transparência ao modo como as entidades devedoras estão cumprindo as exigências constitucionais e quais as penalidades realmente aplicadas aos devedores omissos. Suspensão de verbas, como as do Fundo de Participação dos Municípios, por exemplo, é uma das medidas previstas pela Resolução nº 115 do CNJ. Mas, entre tantas decisões que só punem a Fazenda – ou seja, a própria sociedade – não há qualquer tipo de punição aos administradores do dinheiro público pelo não pagamento da dívida pública judicial.
 
É justamente aí que a omissão dos cidadãos e entidades representativas mais aparece. Apenas um movimento nacional dos credores, amplo e forte, pode fazer com que ocupantes de cargos públicos não ignorem suas responsabilidades, como vem ocorrendo desde a instituição desses tais precatórios, há quase 80 anos. É a sociedade civil exigindo seus direitos, como de boa praxe nas democracias legitimamente instituídas. E sem o clássico argumento da falta de verbas, inadmissível na maioria dos governos, inclusive o federal, que não mede nosso dinheiro para promover e financiar os mais estapafúrdios empreendimentos, doações e financiamentos.
 
Por Dilmas Alberto Alcantara – Advogado tributarista, especializado em ações coletivas e diretor da Alcantara Advogados & Associados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

KALINA KATHYLIN DA SILVA SANTOS

Advogada especializada em relações empresariais no mercado digital;
Suporte ao atendimento Wendell Carvalho e Karina Peloi.

STÉFANY MAGALHÃES NASCIMENTO

Advogada pós-graduanda em Direito Digital e Complaice, especializada em relações empresariais no mercado digital. 

Dra. Luciana Almeida

Advogada pós-graduada em Gestão de Negócios, especialista em Lei Geral de Proteção de Dados, Legal Designer, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Viviane Lopes Coelho

Graduada, Controller Jurídico, especializada em relações empresariais no mercado digital.

DRA MARIA CLARA MACEDO DE OLIVEIRA VELOSO

Advogada pós graduanda em Direito Civil, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Dra. Maria Eduarda Azevedo Machado

Advogada pós-graduanda em direito empresarial, especializada em relações empresariais no mercado digital. 

Dr. Leandro Sena Braga Lima

Advogado especializado em relações empresariais. 

Dra. Laís Figueira Loureiro Moreira Gamaro

Advogada pós-graduada em Direito Tributário e em Direito e Negócios da Infraestrutura, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Dra. Amanda Luiza Tripicchio dos Santos

Advogada com MBA em Direito do Trabalho e Previdenciário, pós-graduada em Direito Previdenciário, pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Ligia Maura Dechechi de Oliveira

Graduada, responsável por novos negócios, especializada em relações empresariais no mercado digital.

Dr. GUILHERME GUAZZELI ARNOSTTI

Advogado especializado em relações empresariais.

Dra. Juliane Mattos Grana de Campos

Advogada pós-graduada em Processo Civil, pós-graduanda em Direito Civil e Processo Civil, especializada em relações empresariais.

Dra. Carla Cecília Russomano Fagundes

Advogada Sênior pós-graduada em Direito e relações do trabalho, especializada em relações empresariais no mercado digital. 

DRA. FLÁVIA MARIA
DECHECHI DE OLIVEIRA

Advogada, pós-graduada em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, com MBA em Gestão Estratégica de Serviços pela mesma instituição. Sócia fundadora da AFO Advogados, desenvolvendo inúmeros projetos para formatação do departamento jurídico de empresas, do mercado tradicional e no mercado digital, o que significou a economia de milhões de reais para centenas de empresários e gestores. Criadora do curso Advogando no Digital, responsável pela formação de centenas de advogados que pretendem atender o nicho. É palestrante e desenvolvedora de conteúdo sobre temas relevantes do direito e empreendedorismo.